“Os pombos causam como sujeira, danos à pintura de veículos e ao patrimônio histórico e artístico, morte de plantas ornamentais e gramados, entupimento de calhas ou tubulações de água de chuva, apodrecimento precoce de forros de madeira, contaminação de alimentos, transmissão de doenças aos humanos e animais domésticos, além de infestação por piolhos que parasitam os pombos”, diz a tecnóloga.

Embora incomodem ou possam causar alergia, o piolho dos pombos não é motivo de pânico para a população, pois dificilmente picam um humano, pois têm preferência pela temperatura corporal dos pombos que é bem mais alta do que a dos homens.

Doenças

As doenças transmitidas a humanos e animais domésticos podem chegar a 50 tipos diferentes, dentre elas destacam-se: criptococose, histoplasmose, ornitose, salmonelose, toxoplasmose, encefalite, dermatites, alergias respiratórias, doença de Newcastle, aspergilose e tuberculose aviária, entre outras. Confira as características de algumas delas:

  • Criptococose: são micoses profundas, que afetam o sistema nervoso central. Os sintomas são: febre, tosse, dor torácica, podendo ocorrer também cefaleia, sonolência, rigidez da nuca, acuidade visual diminuída, agitação e confusão mental. São transmitidas através da inalação de poeira contendo fezes de pombos contaminadas pelos agentes etiológicos.
  • Histoplasmose: também são micoses profundas, que têm afinidade pelo sistema respiratório. Os sintomas que podem ocorrer variam desde uma infecção assintomática até febre, dor torácica, tosse, mal estar geral, debilidade e anemia, entre outros. São doenças oportunistas: o indivíduo pode ou não desenvolver a doença, dependendo de seu estado de saúde.
  • Ornitose: é uma doença infecciosa aguda, tem afinidade pelo sistema respiratório superior e inferior. Os sintomas são: febre, cefaleia, mialgia, calafrios, tosse.
  • Salmonelose: é uma doença infecciosa aguda, que tem afinidade pelo sistema digestivo. Alguns dos sintomas são: febre, diarreia, vômitos e dor abdominal. É transmitida através da ingestão de alimentos contaminados com fezes de pombos contendo o agente etiológico.
  • Toxoplasmose: é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, que pode se manifestar de forma assintomática na maioria dos casos, até mesmo sem causar nenhum dano, caso o hospedeiro não esteja com seu sistema imunológico comprometido, também pode acarretar abortos e nascimento de fetos mal formados.
  • Dermatites: são provocadas pela presença de ectoparasitas (ácaros) na pele, provenientes das aves ou de seus ninhos.

Medidas de controle

Segundo a tecnóloga, apesar de não pertencerem a uma espécie nativa do Brasil, os pombos são amparados pela legislação de proteção à fauna.

“Qualquer ação de controle que resulte na morte, danos físicos, sofrimento ou apreensão desses animais pode ser considerada crime passível das penas previstas em Lei. Por isso, as medidas de controle recomendadas baseiam-se no impedimento do acesso das aves a alimentos e abrigos e de reprodução”, explica Marli.

Assim, é necessário evitar alimentá-los, não deixar frestas entre telhas, pois os pombos podem entrar por estas frestas e construir suas ninhadas, restringir áreas onde os pombos pousam e espantar os animais existentes no local. “Deve-se restringir os locais onde os pombos pousam, principalmente em lugares públicos, evitando a contaminação por suas fezes”, alerta ela.

pombos-como-combater

Estratégias adotadas para evitar o pouso dessas aves:

  • inclinação de superfícies de pouso;
  • emprego de acessórios desestabilizadores de pouso;
  • espículas;
  • fio de Nylon ou arame galvanizado fino;
  • vedação de espaços;
  • telas protetoras;
  • emprego de elementos assustadores visuais e auditivos;
  • impedimento do pouso por substâncias repelentes;
  • emprego de cercas eletrificadas.

Se já existem pombos no local, deve-se primeiro limpar o local, retirando toda a comida ou material orgânico existente para que os pombos sejam obrigados a procurar alimentos em outro lugar, preferencialmente na natureza.

Pode-se utilizar também repelentes químicos como géis na superfície em que haja frequência de pombos, já que isso causa desconforto nas aves. O uso de produtos com odores fortes como creolina, naftalina ou formalina também afasta as aves enquanto o odor permanecer no local.

Pessoas que costumam alimentar pombos devem saber que em estado selvagem eles podem viver até 15 anos, mas nas cidades raramente ultrapassam os 5 anos. Portanto, quando pensam que estão fazendo bem a eles, alimentando-os, na verdade está diminuindo seu tempo de vida. É melhor que os pombos encontrem alimentos naturalmente, pois isto fará com que migrem para áreas rurais, onde encontrarão alimentação adequada.